[flutuações]

de trás pra frente seguia sempre rumo ao desencontro,
:mesmo com a placa avisando ‘desnorteamento adiante’. 

deixou alguns laços nos espaços percorridos sem pressa.
deixou seus pés marcarem poças translúcidas.
deixou-se ficar longo tempo sem olhar o horizonte.

construiu num pé de cerejeira uma área de descanso.
na prateleira, algumas folhas em branco.
na cabeceira, seus sonhos.
na cabeça, palavras flutuantes, ressignificantes de seus dias.

suas noites eram só pensamentos,
imagens movimentadas recontando só o que quis ver.
às vezes, uma trilha se fazia ouvir.

ela implorou para ser de mármore
)era feita de cinzas continuamente vermelhas(

\\escrito em 19.jan.09
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s